Por Raul Candeloro em 30 de outubro de 2017 

Indo contra o movimento de queda, a administradora de cartões private label surpreende apresentando um crescimento de mais de 30% e uma projeção para 2018 de mais de R$ 1bi em valor movimentado 

Criada em 2002 como uma pequena operação de cartões de fidelidade de uma rede varejista, a DMCard apostou na especialização. Atenta as necessidades específicas de redes de supermercados e de materiais de construção, a empresa prosperou. Hoje, a DMCard ultrapassa a marca de 1,7 milhões de cartões emitidos para mais de 150 redes e 1.900 lojas.

Especializados na venda de cartões de loja (private label), a empresa desenvolveu modelos e criou processos de análise de crédito sofisticados. Graças a esse investimento interno, a DMCard mantém um alto nível de aprovação (54%) e conseguiu aumentar em mais de 30% o limite de seus clientes a cada semestre.

Nesta entrevista, Denis Correia, Diretor de DMCard, conta mais detalhes sobre essa história de sucesso. Ele também aborda a importância da fidelização de clientes para os setores superatacadista e de lojas materiais de construção. Confira a seguir:

O que é a DMCard? O que ela oferece?  

A DMCard é uma administradora de cartões (private label). Nasceu em 2002, em São José dos Campos, interior de São Paulo, a partir de uma pequena operação de cartões de fidelidade de uma rede varejista. A empresa viabiliza para redes de supermercados e de materiais de construção a possibilidade de oferecerem um cartão de crédito de marca própria a seus consumidores que, além de aumentar as vendas, fideliza seus clientes. Somos uma empresa especialista em varejo, por isso podemos atender às necessidades específicas do segmento.    

A empresa possui uma completa e integrada estrutura de administração e processamento de operações, e atua em diversas regiões do Brasil. A DMCard já ultrapassou a marca de um 1,7 milhões de cartões emitidos para mais de 150 redes. Atende 1.900 lojas, incluindo Sonda, Cobal, Barbosa, Spani, Semar, Royal, Unissul, Docelar, Joanin, Simpatia e Ricoy. Fazem parte do grupo DMCard, a Mirus Rastreamentos e a Libbero, empresa de cobrança.

Poderia dar exemplos práticos de como isso pode ajudar uma empresa a vender mais e/ou a atender melhor seus clientes? 

Cada vez mais, o setor supermercadista e de materiais de construção conta com o cartão de crédito de marca própria como ferramenta de fidelização e aumento das vendas. Um estudo realizado no ano passado pela DMCard (posteriormente avaliado pelo Centro de Excelência em Varejo da Fundação Getúlio Vargas – FGV), comparou vendas por CPF antes e depois da adesão ao cartão de crédito private label da loja.    

Os dados mostraram que portadores de cartão passam a ter 33% mais presença mensal na loja e um gasto médio mensal 16% maior, resultando em um gasto mensal 55% maior quando comparado a clientes que não adotam essa facilidade.

Que tipo de empresa pode se beneficiar do DMCard?  

Nosso principal produto, o private label, oferece um limite de crédito para uso exclusivo em uma loja ou lojas da mesma rede, o que resulta em um alto índice de fidelização do cliente. Varejistas – sejam redes ou uma única loja –, empresas do setor supermercadista ou de materiais de construção podem contar com o apoio da DMCard. Contamos com uma infraestrutura apta para atender até mesmo gigantes do mercado. É o caso, por exemplo, da rede Sonda, um de nossos principais cases de sucesso.    

E que tipo de situação o DMCard NÃO se propõe a resolver?  

Lojistas muitas vezes pensam em ter um cartão próprio para reduzir as taxas de administração cobrada por cartões com bandeira (Visa ou Master). O conceito do cartão próprio não é exatamente reduzir custo de taxas, mas sim proporcionar ao consumidor um aumento no poder aquisitivo, fazendo com que o mesmo aumente seus gastos na loja.

Quais são os erros mais comuns que você vê as empresas cometendo em relação a este assunto específico ou nesta área em que o DMCard se propõe a ajudar?  

Quando uma loja decide colocar um cartão próprio porque seu concorrente tem ou porque um grande varejista tem. Este é um dos maiores erros que as empresas podem cometer, pois o produto sem a motivação do lojista em querer conhecer o comportamento de consumo de seus clientes – e sem um parceiro especialista no assunto – dificilmente terá sucesso em sua rede. A loja tem que saber efetivamente quais são os benefícios e não colocar o cartão por colocar.

Dessa lista de erros, qual você considera o mais grave? Por quê?  

Baixar o custo de taxas, pois o produto não é para o consumidor que já tem um cartão Visa ou Master. É para o consumidor que não consegue ter um cartão de crédito convencional.

Por onde uma empresa está pensando em lançar um cartão de marca própria ou private label deve começar? Quais as principais recomendações?  

1- Escolher o melhor formato que vai se adaptar à sua realidade:

  • a) Pode ser um cartão que ele mesmo, varejista, administra (cartão lojas Renner).
  • b) Pode ser um cartão administrado por um banco.
  • c) Pode ser uma bandeira regional.
  • d) Ou um cartão private label puro, feito por um especialista como a DMCard.

2- Depois de escolher o formato, saber escolher o melhor parceiro.  

3- Entender qual a verdadeira motivação em querer um produto como este em sua loja.  

4- Poder explorar ao máximo o que cada formato pode oferecer.

Qual seu diferencial em relação a outros possíveis concorrentes? Por que vocês são diferentes?  

A DMCard é uma empresa que se especializou no setor supermercadista e de materiais de construção. Temos um trabalho totalmente focado no aumento das vendas dos parceiros por meio da fidelização do consumidor. Além disso, oferecemos uma das análises de crédito mais ágeis do mercado. Em minutos, um cartão é aprovado e o consumidor já pode fazer suas compras. 

Outro diferencial muito importante da DMCard é que todos os cartões de loja dos parceiros fazem parte de um programa de pontos e recompensas próprio. A gestão e a logística são realizadas internamente. Dessa forma, o varejista tem à sua disposição uma plataforma de CRM que lhe dá a oportunidade de conhecer a fundo o comportamento de compra e as reais necessidades de seus consumidores.    

Para o consumidor final, o programa de pontos permite a troca por benefícios como produtos da loja, descontos na fatura do cartão, créditos de telefone celular ou até mesmo a transferência para outras plataformas como Multiplus e Smiles. Cada varejista pode decidir como vai formatar e utilizar a plataforma para se relacionar com seus consumidores.

Fonte: Revista Venda Mais